Último Sonetos

  • João da Cruz e Sousa

Resumo

  O poeta simbolista João da Cruz e Sousa nasceu em Desterro, atual Florianópolis, Santa Catarina, em 24 de novembro de 1861. Além de poeta, também atuou como jornalista e professor. Filho de escravos alforriados pelo marechal Guilherme Xavier de Sousa, foi acolhido pelo marechal e sua esposa como filho. Estudou na melhor escola secundária da região. No entanto, com a morte dos protetores, foi obrigado a largar os estudos e trabalhar. Foi perseguido por questões raciais, o que culminou na proibição de assumir o cargo de promotor público em Laguna. Em 1881, conheceu Virgílio Várzea, com quem redigiu a Tribuna Popular, onde o poeta veiculou sua campanha abolicionista, e com quem publicou Tropos e fantasias. No Rio de Janeiro; conheceu, entre outros, o amigo e admirador Nestor Vítor, que lhe dedicou estudos importantíssimos e cuidou de sua obra póstuma. O convívio com Nestor Vítor, homem de cultura vasta, foi fundamental para o aprofundamento intelectual de Cruz e Sousa. Em 1890, transferiu-se em definitivo para o Rio de Janeiro e, por intermédio de Emiliano Perneta e Oscar Rosas, começou a colaborar em periódicos, como a Folha Popular, a Cidade do Rio e a Revista Ilustrada. Ganhou os epítetos de “Dante negro”, “Cisne negro”, entre outros. Em 1895 conhece o jovem e admirador que viera ao Rio de Janeiro somente para conhecê-lo: Alphonsus de Guimaraens, que mais tarde se tornaria outra referência do simbolismo brasileiro. Em 1893 publicou Missal, poemas em prosa, e Broquéis, poesias, obras definitivas para a poesia simbolista brasileira. Morreu em Sítio, Minas Gerais, em 19 de março de 1898.  Os originais de Últimos sonetos disponibilizados, pela Fundação Casa de Rui Barbosa, representam uma parte da excepcionalidade dos arquivos pessoais de literatos que compõem o acervo do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira (AMLB). Cruz e Sousa é autor de domínio público, portanto todos os documentos do seu arquivo encontram-se digitalizados e disponíveis na página da FCRB. Texto de Rosângela Florido Rangel (Coordena projetos de pesquisa no Arquivo Museu de Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa)
Publicado
2019-01-10
Seção
DOCUMENTOS