• v. 2 n. 2 (2018)
    É com grande satisfação que lançamos mais um número da Revista Memória e Informação – vol. 2, n.2, julho/dezembro - 2018. Nesta edição, daremos continuidade à publicação de trabalhos apresentados durante o 2° Seminário Tecnologia e Cultura- Humanidades Digitais e Competência em Informação. O encontro, ocorrido na Fundação Casa de Rui Barbosa nos dias 23 e 24 de novembro de 2017, promoveu a apresentação e a discussão de estudos entre estudantes, pesquisadores, professores e demais profissionais atuantes ou interessados na área. Na seção Artigos, o primeiro texto a que o leitor terá acesso é o de Ivana Mihal e Daniela Szpilbarg. Nele as autoras abordam as vinculações existentes entre o campo editorial e as bibliotecas populares na Argentina. O segundo artigo, de Cláudio José Silva, examina os desafios enfrentados pelo campo das Humanidades Digitais no contexto brasileiro. A seguir, Daniela Carvalho Sophia e André Bueno apresentam um panorama da relação entre a Museologia brasileira e a chinesa, destacando cinco questões suscitadas pelo encontro de duas culturas tão distintas.No quarto texto publicado, Marina Leitão Damine Vera Dodebei, a partir do aplicativo Instagram, abordam aspectos relacionados às narrativas que circulam nas mídias sociais.O quinto artigo, deIsabela Maria Arantes e Alberto Calil Junior, apresenta investigação sobre a inserção do Letramento Informacional nos currículos de bacharelado do curso de Biblioteconomia no Brasil. Por fim, Shana dos Santos Ferreira e Marianna Zattar dedicam-se a examinar a prática da Competência em Informação na formação dos orientadores de estudo e professores alfabetizadores que participam do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa  no Estado do Rio de Janeiro.   Na seção Relatos de Experiência, divulgamos o trabalho de Leonardo Mattos da Costa em que o autor aborda a geografia histórica do Rio de Janeiro, apresentando um mapeamento a partir de  informações constantes no periódico Almanak Laemmert. No segundo artigo, Jorge Phelipe Lira de Abreu discute a importância dos arquivos pessoais digitais apartir de um estudo de caso do arquivo pessoal de Rodrigo de Souza Leão.   Estamos certas de que a diversidade temática dos textos apresentados nesta publicação, com recurso a diferentes fontes e metodologias de pesquisa, poderá vir a constituir contribuição significativa em relação aos desafios com que se defrontam os processos de preservação e de gestão de acervos sob a guarda de instituições públicas e privadas brasileiras. Esta nova edição de Memória e Informação se apresenta como o resultado do esforço da equipe da Fundação Casa de Rui Barbosa em divulgar estudos nas áreas de patrimônio documental e arquitetônico, abrangendo museologia, preservação arquitetônica, preservação e conservação de documentos e ciência da informação, incluindo arquivologia e biblioteconomia. A todos desejamos uma ótima leitura. Ana Lígia Medeiros e Daniela Carvalho Sophia (Editoras)
  • v. 2 n. 1 (2018)
    Certas de que a divulgação de pesquisa na área do patrimônio constitui em importante elemento no processo de preservação e gerenciamento dos acervos sob a guarda de instituições públicas, apresentamos este segundo número do periódico Memória e Informação. Esta edição se apresenta como o resultado do esforço da equipe da Fundação em divulgar estudos nas áreas de patrimônio documental e arquitetônico, abrangendo museologia, preservação arquitetônica, preservação e conservação de documentos e ciência da informação, incluindo arquivologia e biblioteconomia.A partir desta edição, publicaremos alguns trabalhos apresentados durante o 2° Seminário Tecnologia e Cultura- Humanidades Digitais e Competência em Informação. O encontro, ocorrido na Fundação Casa de Rui Barbosa nos dias 23 e 24 de novembro de 2017, promoveu a apresentação e discussão de estudos entre estudantes, pesquisadores, professores e demais profissionais atuantes ou interessados na área. Os dois primeiros textos lançam um olhar para a própria Fundação Casa de Rui Barbosa. O primeiro, de Luz Neira Garcia, apresenta a trajetória de têxteis domésticos do Museu Casa de Rui Barbosa, procurando demonstrar como o desaparecimento e desgaste dessa espécie de material é proporcional à perda de informação a ela associado. A autora trata, ainda, dos desafios éticos e práticos relacionados a autenticidade dos objetos.O segundo artigo, de Rosângela Rangel e Zenilda Brasil, em torno das coleções museológicas do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira (AMLB), enfoca os desafios enfrentadospela instituição no processo de organização da sua documentação e de seu acervo museológico.No terceiro artigo, apresentado no mencionado Seminário, Regina Celia Baptista Belluzzo descortina o entorno da Competência em Informação de suas origens à sua inserção na sociedade contemporânea. São aí abordados os principais modelos teóricos, padrões e diretrizes do campo, bem como sua articulação com as melhores práticas em diferentes ambiências sociais. A seguir, Mônica Machado e Antônia Soares apresentam investigação sobre o engajamento digital no Museu de Favela, na comunidade do Cantagalo, Pavão e Pavãozinho, na cidade do Rio de Janeiro. No quinto trabalho, Regina Almeida, Jéssica Camargo Santana, Rayssa Tavares da Silva e Terezinha Perpetuo Socorro Normando dos Reis examinam as estratégias de divulgação e marketing das coleções especiais da Biblioteca Setorial de Enfermagem e Nutrição da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.Na seção ‘Relatos de experiências’, divulgamos o artigo de Leonardo Magalhães, Cícera Vieira e Marina Martinez,que tem por objetivo descrever a experiência dos autores na construção do acervo digital sobre os Jogos Olímpicos Rio 2016. Na mesma seção, publicamos o artigo de Karina Muniz Viana,centrado na descrição do processo de elaboração e implementação do Plano Gestor Museológico entre os anos de 2011 e 2016 na Secretaria de Estado da Cultura do Paraná.Por fim, na seção ‘resenha’, Rodrigo Piquet apresenta o livro de Pâmela de Almeida Resende. A obra é resultado de dissertação de mestrado, defendida pela autora no ano de 2013 na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e agraciada com o prêmio de pesquisa Memórias Reveladas 2012.Temos a certeza de que este número da Revista Memória e Informação oferece muitas possibilidades de questionamento e reflexão para pensarmos o patrimônio cultural brasileiro. Desejamos a todos uma agradável leitura. Ana Lígia Medeiros e Daniela Carvalho Sophia (Editoras)
  • v. 1 n. 1 (2017)
    A criação de um periódico científico representa um novo canal de informação e conhecimento que beneficia a comunidade de pesquisadores.  Nesse sentido, o Centro de Memória e Informação (CMI) da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), órgão do Ministério da Cultura, lança Memória & Informação. Esta publicação coroa os esforços da equipe de pesquisadores da instituição que vem se dedicando à produção de conhecimento nas áreas de patrimônio documental e arquitetônico, abrangendo museologia, preservação arquitetônica, preservação e conservação de documentos e ciência da informação, incluindo arquivologia e biblioteconomia. Além das pesquisas, o CMI é também responsável pela promoção de eventos nacionais e internacionais, bem como de diversas publicações especializadas, o que possibilita a troca de informações nas áreas de sua atuação.   Assim, o principal objetivo da publicação de Memória & Informação é divulgar estudos teóricos ou empíricos que possibilitem aos leitores o acesso livre ao conhecimento que vem sendo produzido. Memória & Informação tem periodicidade semestral e reúne artigos, relatos de experiências e resenhas produzidos por pesquisadores e cientistas de universidades e instituições de pesquisa no Brasil e no exterior, além de divulgar um documento selecionado pertencente ao acervo da FCRB.   Ana Lígia Medeiros (Editora)